O ponto de mutação

 Nos mundos de Terceira Dimensão, nada é real. Não vamos aqui dizer que tudo é ilusão, pois a forma como são percebidas as coisas na 3D. Parecem existir de fato, uma vez que os próprios sentidos físicos dos humanos atestam isso. Mas não passam de projeções holográficas, necessárias para o aprendizado das consciências limitadas.

Ilustração demonstrando a evolução de uma pessoa, desde o macaco até a ascensão espiritual

As almas encarnadas estão aqui para aprender como é viver numa ilusão, acreditando que tudo é real. Já foi escrito em textos anteriores que essa é a razão da existência de Escolas, nas quais os véus do esquecimento encobrem as já limitadas consciências. A sensação é de desconexão total da Fonte.

Nesta situação, os encarnados acreditam realmente que a vida se restringe a nascer, crescer e morrer. Então, na luta pela sobrevivência, é sempre o maior desafio. E isso também é uma ilusão, pois a alma sobrevive à morte do corpo físico e se integra mais adiante num novo corpo, e assim sucessivamente, até que todas as lições sejam absorvidas, compreendidas e agregadas à sua versão de alma mais elevada.

Quando isso acontece, a alma atingiu a ascensão. Ascensão quer dizer para cima; subir. Sim, subiu os degraus de consciência o suficiente para entender que ela estava aqui em aprendizado, mas que tudo era temporário, assim como um ser humano frequenta uma escola normal. Ao ascensionar, a alma leva o aprendizado consigo e o integra a uma versão mais elevada de si mesma. Degrau por degrau, chegará à sua Super Alma. Essa, por sua vez, integra ao Espírito único, que é de fato o nosso EU SUPERIOR, também chamado de Átomo-Semente Divino.

Todos os Fractais de Alma encarnados na Terra, são fragmentos ou partes do Espírito. Essa desconexão aparente é o que causa tanto pavor e medo na consciência de cada ser humano. Por se sentir fragilizado, abandonado, enfraquecido e perdido, o mundo ao seu redor parece de fato hostil e tenebroso.

Nem vamos falar aqui que tudo ficou ainda mais difícil quando os Arcontes tomaram para si a Terra e toda a sua humanidade. Porém, mesmo que o grau de dificuldade tenha aumentado muito, tal situação tornou ainda mais interessante o aprendizado nesta Escola: a Terra se tornou uma das mais duras Escolas de Almas.

Os Planos Divinos para cada Planeta, Estrela ou Galáxia são tão extraordinários que uma mente 3D não consegue imaginar; que dirá entender. Mas eles seguem o projeto na sua íntegra, e nada nem ninguém pode mudar. Há sempre os Conselhos Superiores que podem, eventualmente, promover algumas alterações em suas Linhas de Tempo, pois dentro dos Planos Infalíveis também existem possibilidades e ajustes, a fim de um melhor aproveitamento e mais produtividade.

udo é movimento e evolução dentro dos Universos infinitos. Não seria diferente neste minúsculo Planeta Terra, também conhecido como Shan (ou Urantia) Galáxia afora. O propósito dentro desta Escola de Dualidade finda agora. É chegada a tão esperada data em que a menina dos olhos da Galáxia vai fazer o seu debut. A Terra adentrou uma oitava na espiral Galáctica, e isso muda a sua vibração e a sua frequência.

Tais frequências romperão os véus e libertarão as consciências das suas limitações. Toda a ilusão vai se desfazer rapidamente e não há mais sentido em aplicar as lições de dualidade, uma vez que cada consciência que aqui permanecer saberá o tempo todo quem é, de fato. Seria o mesmo que aplicar lições de primeiro grau a alunos universitários.

Essa mudança radical que a Terra sofre atualmente é denominada de PONTO DE MUTAÇÃO. Também já escrevi anteriormente dando a denominação de PONTO ZERO. Na verdade, é uma CURVA NA LINHA DE TEMPO, que vai remeter a Terra e sua humanidade para um novo rumo, um novo ciclo, uma Nova Era.

Nada mais será como antes. É verdade que todas as almas terranas que ainda não estão prontas em seu aprendizado terão que se deslocar para outras Escolas, ou seja, outros Planetas de Terceira Dimensão. Mas os herdeiros da Nova Terra terão, a partir desse PONTO DE MUTAÇÃO, uma consciência mais alargada, que virá de uma versão sua de alma, mais elevada.

O PONTO DE MUTAÇÃO é também o início da volta para casa. Uma consciência que atinge o grau de frequência de 5D pode também naturalmente navegar pelas ondas dimensionais superiores até a 9D. Isso possibilita uma ampliação tal que favorece o deslocamento instantâneo por outros Planetas e estrelas dentro da Galáxia. Os Portais Dimensionais possibilitarão esse transporte incrível e instantâneo.

fonte : Vital Frosi e minha missão é o esclarecimento

Publicidade

Estamos vivendo a experiência mais aterrorizante da história humana?

Qualquer estrutura organizada é corrompida com o tempo. Essa é uma lei da entropia.

O experimento “Universo 25” é um dos experimentos mais aterrorizantes da história da ciência. Envolve o comportamento de uma colônia de ratos e é uma tentativa dos cientistas de explicar as sociedades humanas.

Aqui está o que aconteceu. Entre o final dos anos 1960 e o início dos 1970, o etologista americano John B. Calhoun criou uma utopia aparentemente perfeita para os ratos. Calhoun construiu um recinto livre de predadores e doenças, forneceu-lhe comida ilimitada e até mesmo um nível superior com condomínios para ratos em miniatura.

Essencialmente, os ratos iriam desfrutar de todos os confortos modernos que as pessoas no mundo desenvolvido passaram a desfrutar e agora realmente esperam hoje como um “direito”.

Considere o que estamos testemunhando hoje. O que chamo de “extremistas de segurança” comandam as democracias liberais ocidentais. É como se todos os monitores do corredor fossem colocados no comando. Nada de subir em árvores para Johnny porque ele pode cair. Extremismo de segurança. Você não pode andar de bicicleta sem um capacete. Extremismo de segurança. Sinais de aviso nas xícaras de café quentes, informando que o café está quente.

A lista de extremismo de segurança é interminável. Então, você vê, nós somos como esses ratos. Agora, vêm os canhotos que acreditam que é “direito” de todos desfrutar de todos os benefícios de um mundo moderno.

Vamos ver o que aconteceu com os ratos porque é instrutivo para o que está acontecendo com as sociedades ocidentais.

 O EXPERIMENTO

Para começar o experimento, Calhoun introduziu quatro pares de camundongos saudáveis ​​no recinto. Durante os primeiros 104 dias, os ratos exploraram seu novo habitat, marcaram seu território e começaram a fazer ninhos. Depois, a população começou a aumentar, dobrando a cada 55 dias. Tudo normal.

Curiosamente, mesmo quando a população estava bem abaixo de 1/4 da capacidade do recinto, a maioria dos ratos ainda se aglomerava em áreas selecionadas. Comer, por exemplo, era uma atividade compartilhada, então os ratos se agrupavam durante a hora da alimentação, embora houvesse muito espaço para comer sozinhos. Exatamente como os humanos.

No 315º dia, a população atingiu 620 camundongos.

O comportamento de aglomeração desencoraja o acasalamento, contribuindo fortemente para a queda nas taxas de natalidade. O Universo 25 agora começaria seu declínio lento, mas constante. Uma proeminente escala social rapidamente tomou forma.

Na população masculina, os camundongos mais dominantes eram caracterizados por seu comportamento extremamente agressivo. Os chamados “camundongos alfa” frequentemente se envolviam em banhos de sangue violentos, atacando, estuprando e até praticando canibalismo às custas de seus colegas. Perturbadoramente, essas explosões violentas geralmente não tinham uma provocação ou motivo claro.

No lado oposto do espectro estavam os camundongos menos aptos socialmente que foram completamente excluídos do acasalamento. Eles passaram o tempo movendo-se entre grupos maiores de ratos, comendo e dormindo sozinhos. Ocasionalmente, esses ratos também lutavam entre si.

À medida que os papéis sociais se rompiam, as mulheres assumiam atitudes mais agressivas próprias. Cuidar de seus ninhos em meio a um domínio tão caótico não era tarefa fácil, por isso muitas mães às vezes agiam violentamente com suas próprias ninhadas. Outros se retirariam completamente de suas responsabilidades maternais, ignorando suas ninhadas e abandonando totalmente as práticas de acasalamento.

O dia 560 marcou o início do fim, a “fase da morte”. O aumento da taxa de mortalidade oscilou em torno de 100%, interrompendo o aumento populacional por completo. No entanto, as novas gerações que sobreviveram cresceram no ambiente tumultuado que era o Universo 25. Esses ratos não tinham nenhuma percepção da vida “normal” que os ratos levavam além das paredes do recinto.

“Estudos … têm revelado consistentemente que a ausência de estímulo social e cuidado materno leva a uma alta taxa de retardo físico e emocional e mortalidade.”

Agora, considere a ausência de estímulo social que todos nós experimentamos durante esta plandemia.

No contexto do Universo 25, o isolamento pavimentou o caminho para uma nova categoria de ratos que Calhoun chamou de “lindos”. Esses ratos foram segregados dos outros, ratos sanguinários e da violência que assolou o resto do recinto. Suas aparições subsequentes inabaláveis ​​foram a inspiração para seu nome.

Além disso, estando separados do resto do Universo 25 ratos, os lindos não faziam nenhuma contribuição para a sociedade. Os ratos não ajudaram no acasalamento, maternidade, marcação de território, etc. Em vez disso, eles passaram todo o tempo se alimentando, bebendo, cuidando de si e dormindo.

Eventualmente, os bonitos superaram os ratos mais agressivos. Ainda assim, em vez de se acasalar ou criar novos papéis na sociedade do Universo 25, os belos continuaram a existir apenas para sua satisfação fisiológica. Com tudo fornecido para eles no recinto, o paradoxo dos belos revela os padrões autodestrutivos que surgem ao viver uma vida sem propósito.

Logo, por causa da indiferença coletiva em relação ao acasalamento ou à construção de uma sociedade sustentável, a população de camundongos começou a morrer até que não houvesse mais camundongos. Cada rato morreu deixando nada sobrando.

Calhoun repetiu esse experimento várias vezes e encontrou exatamente os mesmos resultados todas as vezes. Arrepiante.

IMPLICAÇÕES PARA A HUMANIDADE

O experimento do Universo 25 oferece uma visão sobre a morte da humanidade. As belas em particular nos mostram que os indivíduos não assumirão um papel produtivo na sociedade se não tiverem relacionamentos adequados ou modelos de comportamento no ambiente em que crescem.

É importante notar que a extrema esquerda, que se encontra na sociedade ocidental hoje, rejeita os valores familiares em favor do multiculturalismo e é uma defensora da renda básica universal. Como isso é diferente dos ratos? Não é.

Os paralelos com o Universo 25 e a humanidade são óbvios. Claramente, somos uma espécie mais sofisticada com a capacidade de reconhecer, pensar e mudar o curso.

O que me dá otimismo para o futuro é que em tempos de crise vemos o pior da humanidade, mas também o melhor. À medida que entramos em tempos cada vez mais difíceis, a humanidade tem a chance de parar, lembrar, reavaliar e recalibrar o que valorizamos, por que a vida é bela e pelo que vale a pena lutar.

As mentes dos ratos e dos homens não são as mesmas, mas assim como um diamante só é feito quando submetido a extrema pressão, também o são as pessoas, as comunidades e as sociedades.

…necessidade …..desafio financeiro …

Um dos problemas de finanças pessoais mais desafiadores que todos enfrentamos é uma definição cada vez maior de “necessidade”.

Coisas que antes considerávamos luxos claros de alguma forma tornam-se necessidades, muitas vezes sem nenhuma consideração de como a mudança de status aconteceu.

Carros que pareciam bons há alguns anos agora parecem antiquados. Lembra quando a ideia de dar a uma criança um telefone celular – muito menos um iPhone e iPad para inicializar – parecia estranha?

Claro, não posso deixar de fazer as seguintes perguntas:

· E se a felicidade financeira não for conseguir mais, mas querer menos?

· E se as coisas começarem como desejos e se tornarem necessidades não porque a coisa em si mudou, mas porque nossos sentimentos sobre ela mudaram?

· E se você nunca se cansar de algo de que não precisa?

Veja, todos nós sabemos que o brinquedo novinho em folha que tínhamos muitas vezes acaba na pilha de coisas que precisamos vender em uma venda de garagem ou doar para instituições de caridade.

Este é mais um exemplo de por que as finanças pessoais podem ser tão complexas – porque não existe uma lista definitiva das 100 coisas que toda família deve ter. Portanto, essas decisões acabam sendo incrivelmente pessoais.

Mas não se desespere … Ao longo dos anos, reuni alguns truques justos com base na experiência pessoal e no feedback de leitores como você.

Para ajudar a traçar uma linha na areia entre “quero” e “preciso”, tente o seguinte:

1- Não compre coisas imediatamente.
Durma sobre a decisão durante a noite. Dica profissional: Isso também funciona para e-shopping. Antes de comprar um livro na Amazon, ele precisa ficar no meu carrinho por pelo menos 72 horas.

2- Implementar uma quarentena de “coisas”.
Nada de novo entra em casa sem ficar sentado na garagem por três dias. Então, se você ainda sentir que precisa … ele chega. Caso contrário, pode ser devolvido à loja.

3- Use a regra One In , One Out .
Para cada coisa que você traz para dentro de casa, uma coisa tem que sair de casa (e não para a garagem … longe, muito longe). Você pode fazer isso com livros, roupas, qualquer coisa.

O importante é se engajar no processo de tentar esclarecer a diferença entre o que você quer e o que você precisa.

Coloque algum espaço entre você e o impulso de comprar e use esse espaço para refletir.

O mundo precisa de muito menos Facebook, não mais com um nome diferente

Novo nome, mesmo jogo

O Facebook está mudando seu nome para Meta Platforms Inc.

É estúpido, eu sei.

Mas, novamente, desperdiçar 2,39 anos de vida no Facebook também é, então o usuário médio pode realmente julgá-los?

Como a maioria dos meus leitores de longa data sabe , não sou um fã do Facebook altamente viciante, criador de extremistas, devorador de tempo, devorador de dinheiro, destruidor da democracia, indutor de depressão e fomentador de ódio.

Agora, em uma tentativa de distanciar o Facebook de seus crimes e escândalos intermináveis, o garoto bilionário / lorde Sith Mark Zuckerberg decidiu que queimar 76.450.684 anos de vida humana a cada ano em duas dimensões não é mais suficiente.

Não, em sua mente focada no lucro, é hora dos 1,908 bilhão de usuários ativos diários do Facebook entrarem no Metaverso – em outras palavras, ele quer nos separar ainda mais, mas desta vez, na realidade virtual.

Para criar “conexão”.

Em outras palavras, a mentira que construiu o Facebook está prestes a se tornar exponencial.


O mundo precisa de muito menos Facebook, não mais com um nome diferente

Mudar um logotipo não muda uma ideia tóxica

Novo nome, mesmo jogo

O Facebook está mudando seu nome para Meta Platforms Inc.

É estúpido, eu sei.

Mas, novamente, desperdiçar 2,39 anos de vida no Facebook também é, então o usuário médio pode realmente julgá-los?

Como a maioria dos meus leitores de longa data sabe , não sou um fã do Facebook altamente viciante, criador de extremistas, devorador de tempo, devorador de dinheiro, destruidor da democracia, indutor de depressão e fomentador de ódio.

Agora, em uma tentativa de distanciar o Facebook de seus crimes e escândalos intermináveis, o garoto bilionário / lorde Sith Mark Zuckerberg decidiu que queimar 76.450.684 anos de vida humana a cada ano em duas dimensões não é mais suficiente.

Não, em sua mente focada no lucro, é hora dos 1,908 bilhão de usuários ativos diários do Facebook entrarem no Metaverso – em outras palavras, ele quer nos separar ainda mais, mas desta vez, na realidade virtual.

Para criar “conexão”.

Em outras palavras, a mentira que construiu o Facebook está prestes a se tornar exponencial.

A visão de um trilhão de dólares

O Facebook foi construído com base em uma promessa extremamente simples e profunda:

Que se todos nós passarmos mais tempo sozinhos olhando para uma tela, entregar livremente nossas identidades e deixar um algoritmo mudar nossas crenças e comportamentos, o Facebook fornecerá conexão .

E adivinha?

Facebook entregue.

Extremamente bem:

  • Velhos colegas que perderam contato ( por uma razão) de repente sabiam o que o outro estava fazendo.
  • Os avós podiam ver seus netos distantes.
  • Ex-colegas começaram a discutir sobre quem roubou a eleição de quem.
  • Durante o bloqueio, todos puderam ver como os outros estavam entediados.
  • Ah, e milhões de casais tiveram casos, com 20% dos casos de divórcio envolvendo agora o Facebook .

Então, sim, nos conectamos .

Mas há um problema fundamental com a proposta de venda exclusiva do Facebook:

Há uma enorme diferença entre conexão e comunhão.

O Facebook promete conexão e espera que não percebamos que a conexão não é realmente o que queremos, precisamos ou ansiamos.

Da mesma forma que os americanos confundem autonomia com liberdade, Mark Zuckerberg confunde conexão com comunhão.

Humanos não “se conectam”.

Não somos chaves USB.
Não somos sinais de wi-fi.
Não somos pinos que se conectam a tomadas.

As máquinas se conectam.

Comunidade humana.

Comunhão

Não conheço ninguém que tenha saído do Facebook se sentindo eufórico, contente ou satisfeito.

Estatisticamente falando, a maioria dos usuários se desconecta mais deprimida ou mais enfurecida.

O Facebook é como o McDonald’s – é temporariamente satisfatório por causa do hit do açúcar sacarino, mas no final das contas deixa você com fome em poucas horas, desejando outro hit.

A comunhão, por outro lado, é diferente.

Quando as pessoas se encontram cara a cara, a mágica acontece.

Nós cheiramos um ao outro.
Ouça um ao outro sem compressão.
Nós respiramos os feromônios um do outro.
Nossa respiração sincroniza.
Nossos batimentos cardíacos aumentam.
Nossos rostos ficam vermelhos.
Nós realmente nos comunicamos.
Podemos sentir nuances, sutilezas, gracejos.
Inconscientemente, vemos as pupilas um do outro se dilatarem.
Nós nos tocamos, nos abraçamos, sentimos um ao outro.
Nós sabemos e somos conhecidos.

E nenhum anunciante, incluindo trolls russos e teóricos da conspiração, pode pagar para plantar 36 pensamentos em nossas cabeças.

Mais do mesmo

“O metaverso é a próxima fronteira … De agora em diante, vamos primeiro ao metaverso, não ao Facebook .” – Mark Zuckerberg

O metaverso é extremamente superestimado.

É basicamente uma mídia social altamente viciante em realidade virtual ou aumentada.

Isso mesmo – ou passaremos nossas horas dentro do mundo digital do Facebook ou o Facebook invadirá nosso mundo físico.

De qualquer forma, seus algoritmos continuarão a nos conhecer melhor do que nossa família, nos bombardeando com anúncios, quer estejamos cientes deles ou não, manipulando nosso comportamento para o bem não de nós mesmos e de nossas comunidades, mas para os resultados financeiros lucros de acionistas de elite em busca de mais e mais Zuckerbucks.

Você pensou que as guerras do Facebook nas paredes de comentários eram ruins?

Agora as pessoas poderão ver e gritar umas com as outras em prefeituras digitais.

Desculpe, MarkyZ.

Somos homo sapiens , não homo digitalis .

Somos orgulhosamente biológicos, offline e físicos.

Fomos feitos para estar juntos, na carne.

Não fomos obrigados a sentar sedentários e olhar para um pequeno quadrado de luz o dia todo.

E definitivamente não fomos projetados para prender uma tela em nosso rosto e “viver” dentro de um mundo cheio de anúncios criado por um sociopata.

Nunca vamos esquecer que o Facebook (e VR / AR / o metaverso) foi criado não para melhorar a vida humana e alcançar o bem-estar mais amplo.

Era e sempre será sobre lucros para os acionistas .

Documentos vazados provaram conclusivamente que Mark Zuckerberg não se preocupa com o bem-estar mais amplo de nossa família global.

Como todos nós, Mark se preocupa acima de tudo consigo mesmo.

À medida que a confiança no Facebook Inc. continua a cair cada vez mais, o Chief Exploitation Officer pensa que pode mudar a marca como Meta Platforms Inc. e dobrar para uma tese que nunca funcionou em primeiro lugar.

O Facebook foi construído com a falsa promessa de que passar mais tempo sozinho nas telas proporcionará de alguma forma a comunhão humana que desejamos, precisamos e ansiamos.

Não tem, não vai, não pode e nunca vai.

Aprenda a aperfeiçoar sua intuição e tomar decisões rápidas

“Blink”, de Malcolm Gladwell, é o livro certo para quem quer aprender a tomar decisões mais rápidas e acertadas. – Imagem: Shutterstock

Você já ouviu frases do tipo: “As aparências enganam”; “Pense bem antes de agir”; “Quanta verdade se esconde detrás de um palpite?”; “Inteligência intuitiva existe?” e “Por que sabemos a verdade em dois segundos?”.

Perguntas como essas motivaram o jornalista Malcolm Gladwell a analisar a fundo a ciência que se esconde por trás das primeiras impressões. Em “Blink”, o autor se baseia em fundamentos científicos para nos mostrar como podemos julgar, decidir e fazer escolhas sem refletir muito a respeito ‒ “em um piscar de olhos”, como o próprio título diz.

Ao contrário do que assume o senso comum, as primeiras impressões não se resumem a simpatizar ou não com uma pessoa logo de cara. Em “Blink”, vemos que esse recurso intuitivo pode servir para muito mais do que uma mera questão de afinidade.

A obra nos mostra o exemplo do diretor do Metropolitan Museum, que, com uma simples olhada, rejeitou a autenticidade de uma estátua kouros (jovem nu masculino) da antiga Grécia, adquirida pelo Getty da década de 1980, por sentir que havia algo de “fresco” na peça. Ou ainda o caso de um cientista norte-americano que consegue saber em poucos minutos se determinado casal acabará por se separar ou se manterá sua união, após anos analisando o comportamento de casais em uma discussão.

Fatiar fino: nosso inconsciente impactando nossas decisões

Decisões tomadas muito depressa podem ser tão boas quanto decisões tomadas de forma cautelosa e deliberada. Para nos ajudar a fazer escolhas rápidas, porém espertas, o autor traz uma ferramenta muito interessante, chamada de “Fatiar Fino”.

"Fatiar Fino" refere-se à capacidade do inconsciente de encontrar padrões em situações e comportamentos com base em fatias muito finas de experiência. Mesmo que você nunca tenha ouvido falar dessa expressão, você “fatia fino” a todo momento de sua vida: quando conhece uma pessoa e quando se defronta com uma situação nova, por exemplo.

Mas você pode estar se perguntando: como é possível colher informações necessárias para um bom julgamento em tão pouco tempo?

O livro traz diversos exemplos e estudos de como tornar isso possível, inclusive com testes práticos. E o melhor: esta é uma habilidade que pode ser desenvolvida voluntariamente por qualquer pessoa.

“A capacidade de fatiar fino não é um dom divino: é uma parte fundamental da estrutura humana. […] Nós fatiamos fino porque somos obrigados a fazê-lo, e aprendemos a ter confiança nesta habilidade porque existem muitas ameaças no mundo exterior, e porque existem diversas situações em que o exame detalhado dos dados obtidos com o ato de fatiar fino pode nos fornecer informações valiosas, ainda que em questão de dois ou três segundos.” ‒ Trecho de “Blink”, de Malcolm Glawell

Uma das teorias que “Blink” propõe é que fazemos conexões entre pares de ideias que já estão relacionadas em nossas mentes de uma forma mais rápida do que entre pares de ideias que nos são estranhas. 

Nós podemos fazer essas associações em dois níveis diferentes :

  • O primeiro é quando temos nossas atitudes conscientes: crenças e valores declarados que conduzem nosso comportamento;
  • O segundo nível está no inconsciente: associações imediatas e automáticas que surgem antes de podermos raciocinar. 

Para exemplificar o primeiro caso, escolhi um interessante teste de Harvard que ilustra esses níveis de consciência: o teste de associação implícita, chamado de IAT. Caso queira experimentar, você pode entrar no site, onde existem diversos outros testes, inclusive o mais famoso: o Race IAT.

“Blink” propõe testes de níveis de consciência

No primeiro teste, temos duas colunas e algumas imagens e palavras, e você precisa associá-las em uma das duas colunas. O aspecto perturbador do teste é o fato dele mostrar que nossas atitudes inconscientes podem ser totalmente incompatíveis com os nossos valores conscientes declarados. 

Teste de associação implícita ajuda a entender nossos níveis de consciência. Imagem: Implicit/Harvard.

Porém a boa notícia é que não estamos indefesos diante de nossas primeiras impressões. Elas podem vir do inconsciente, mas o simples fato de uma coisa estar fora do consciente não significa que está fora de controle. Aqui vai uma dica que tirei do livro:  nossas primeiras impressões são geradas pelas experiências e pelo ambiente, então isso significa que podemos mudar nossas primeiras impressões “fatiando fino”, ou seja, mudando as experiências que compõem essa impressão. 

"O computador gigante que é nosso cérebro digere silenciosamente todos os dados das experiências que tivemos, das pessoas que conhecemos, das lições que aprendemos, dos livros que lemos, dos filmes que assistimos e assim por diante, e forma sua opinião." ‒ Trecho de “Blink”, de Malcolm Glawell

O segundo teste apresentado na obra funciona da seguinte maneira: duas dúzias de homens e mulheres se reuniram no salão dos fundos de um bar em Manhattan para participar de um ritual um tanto quanto peculiar, "um encontro rápido".

Todos estavam com crachás numerados e cada casal tinha seis minutos para se conhecer. Depois do encontro, eles assinalavam se tinham gostado ou não da pessoa, conforme os números. Caso desse “match”, 24 horas depois eles receberiam a informação por e-mail e poderiam se encontrar novamente.

Mas o curioso é o seguinte: as pessoas, quando questionadas pelas escolhas, não sabiam explicar o motivo de suas preferências e ficavam bem confusas ao tentar explicar. 

Então, dois professores, Fisman e Iyengar, repetiram as noites de encontro rápidas

para tentar entender a confusão na hora de explicar suas escolhas. As noites são idênticas às noites de encontros rápidos, exceto por uma regra: os participantes não se limitam em marcar quadrinhos de sim ou não, eles precisam preencher um questionário de 1 a 10, com o que buscam em um parceiro em potencial. 

O exemplo de Mary

Mary diz no início da noite que desejava alguém inteligente e sincero, mas o teste mostra que isso não significa que ela será atraída somente por homens inteligentes e sinceros. Além disso, durante a noite, ela pode se atrair por um homem atraente e divertido, por exemplo. No dia seguinte, quando questionada novamente sobre sua preferência para homens, pode mudar de opinião e dizer que prefere alguém divertido e atraente. 

Parece confuso. Afinal, o que Mary deseja em um homem? O verdadeiro é o descrito por ela, o que ela diz que realmente procura ou o que ela escolheu por meio das ações? 

Os cientistas não chegaram a uma resposta certa. Nenhuma das respostas de Mary está errada, mas ambas estão sim incompletas. O consciente diz aquilo que acredita querer quando pensa no assunto. As ações, no entanto, estão atrás de uma porta trancada ‒ o inconsciente ‒ e aí não é possível ter certeza do critério que determina essas escolhas. 

Conheça mais sobre Malcolm Gladwell

Malcolm Gladwell é um jornalista britânico que iniciou sua carreira jornalística numa revista em Indiana, depois de ser rejeitado por várias agências de publicidade. Ele trabalhou durante quase uma década no The Washington Post, na cobertura de temas de ciência e negócios e foi lá que começou a ler revistas acadêmicas e estudos em busca de ideias para reportagens, coisa que sustenta boa parte do seu trabalho hoje.

Desde 1996, Gladwell é colunista da The New Yorker e, em seus trabalhos, ele mistura jornalismo, pesquisa científica, história e filosofia. Entre seus livros de sucesso, estão “Fora de série”, “Davi e Golias” e “Falando com estranhos”. Como ele mesmo diz: “Abordo questões do senso comum e, a partir de argumentos contra intuitivos, busco formas interessantes de apresentar pontos de vista radicais”.

Entender como funcionam suas tomadas de decisão pode definir sua vida financeira

“Blink” nos mostra como “fatiar fino”, ter uma intuição mais apurada e nos ajuda a perceber o quanto o viés pode atrapalhar as suas escolhas. É uma leitura rápida e direta ao ponto, que traz diversos exemplos do cotidiano. Para quem se interessa pelo assunto, vale a pena ler também “Rápido e Devagar”, de Daniel Kahneman, que fala sobre nossa forma de pensar, trazendo mais pesquisas e comprovações científicas. 

Entender como nosso cérebro entende o processo de tomada de decisões é essencial para ser mais certeiro no campo dos negócios, das finanças pessoais e dos investimentos. Por isso, muitos autores têm se dedicado ao tema da economia comportamental, que está diretamente relacionada às nossas ações conscientes e inconscientes.

O Evernote ajuda você a se lembrar de tudo e a se organizar sem esforço.Baixe o Evernote.

58f72c4e-afca-47f7-ae33-3cdd0cd8476d

O Panopticoin está chegando

Resistir a moedas de vigilância digital não será fácil, mas nossa liberdade depende disso

Stateville Correctional Center / Jim Goldberg

Sou seu anfitrião, Jared A. Brock, e hoje vamos discutir uma das peças de tecnologia mais perigosas que já foi inventado.

Ok, vamos aprofundar:

“Quanto mais rigorosamente somos observados, melhor nos comportamos.”

Jeremy Bentham

Em algum momento entre 1785 e 1786, enquanto visitava seu irmão que servia ao ditador na Rússia, o agora recheado engenheiro social utilitarista Jeremy Bentham começou a se fazer uma série de perguntas que dois séculos mais tarde estão prestes a produzir consequências desastrosas para sua liberdade, privacidade, e autonomia pessoal:

  • E se houvesse uma maneira de projetar uma prisão que permitisse a uma pessoa supervisionar as atividades de milhares de presidiários?
  • E se o vigilante não pudesse ser visto pelos presidiários e, portanto, nem mesmo precisasse estar de plantão em todos os momentos, deixando efetivamente a vigilância para os vigiados?
  • E se os presos vigiados fossem coagidos a trabalhar em suas celas para permanecerem vivos?
  • E se a prisão tivesse o nome de Panoptes, um gigante grego mítico que possuía uma centena de olhos?

O resultado foi o Panóptico .

O desenho da prisão Panóptico era diabolicamente brilhante. As celas dos internos alinhavam-se na parede circular externa, com uma torre de vigilância no centro. O observador podia ver todas as celas em todos os momentos e até falar com os presos por meio de uma rede de “tubos de conversação”, mas os presos nunca podiam ver o observador.

Bentham declarou que sua invenção era um “novo modo de obter poder da mente sobre a mente”.

Apenas uma dúzia ou mais de Panópticos foram construídos – Fidel Castro foi preso em um – mas, infelizmente, ele criou um paradigma panóptico insidioso que perdura até os dias de hoje.

Porque um panóptico não é mais apenas um edifício físico; em última análise, é um sistema de controle totalitário.

Poder Panóptico

Patrick Henry disse: “dê-me liberdade ou dê-me a morte”, e ele não estava sendo hiperbólico.

Ele entendeu que os humanos sem liberdade são apenas prisioneiros em uma prisão panóptica – sem livre arbítrio, somos apenas pessoas mortas caminhando.

Os panópticos obtêm seu poder final criando um estado de visibilidade consciente , garantindo a obediência automática por meio do poder coercitivo e anônimo.

Sob o olho do panóptico, as pessoas murcham e morrem.

Panopticon Hoje

Já vivemos em um panóptico.

Qualquer pessoa que tenha um smartphone está sendo vigiada o tempo todo.

Cada palavra falada …

Cada frase digitada …

Cada foto e vídeo tirado …

Cada item comprado …

Cada conexão relacional forjada …

Cada movimento feito …

Tudo rastreado.

A única diferença entre hoje e os pobres prisioneiros de Bentham é que:

a.) a maioria das pessoas não é punida por pensamento errado, fala errada e ação errada, e

b.) a maioria das pessoas não tem consciência de que está sendo observada.

Ainda .

Panopticon Amanhã

“Todos os dados são dados de crédito, só não sabemos como usá-los.” – Douglas Merrill, Google

Quase todas as outras peças necessárias para uma sociedade panóptica moderna já estão no lugar:

  • CCTV
  • Reconhecimento facial
  • Reconhecimento de voz
  • Impressão digital digital
  • Vigilância da IoT (por meio de sua geladeira, carro, etc.)
  • Banco de DNA
  • Rastreamento GPS
  • Pontuação de crédito
  • Coleta não anônima de dados do consumidor
  • Rastreamento biométrico sob a pele
  • Monitoramento de frequência cardíaca e calor corporal

Literalmente, nunca fomos tão vigiados em qualquer ponto da história humana.

Resfriamento social

A cultura panóptica já está mudando nosso comportamento e policiando nossa liberdade de expressão.

Estamos nos tornando mais avessos ao risco.

Estamos nos autocensurando constantemente.

Existe até um termo para isso: resfriamento social .

Você já não disse algo porque achou que isso prejudicaria sua reputação? Você já evitou postar algo online por medo de represálias no trabalho? Você já hesitou em clicar em um link, assistir a um vídeo no Youtube ou comprar um livro na Amazon por medo de que ele pudesse ser rastreado e voltar para mordê-lo no futuro?

Isso é resfriamento social.

Quando permitimos que algoritmos controlados por elite mudem nosso comportamento de alguma forma, nos tornamos menos humanos.

E agora há uma tecnologia chegando ao mercado que tornará tudo monumentalmente pior:

Moedas de vigilância digital.

Panopticoína

Panopticoína: Uma moeda digital que permite aos totalitários vigiar e controlar completamente a atividade econômica de seus súditos.

Imagine um mundo no qual todo o dinheiro é controlado e monitorado digitalmente por governos nacionais corrompidos por corporações.

Sim, já temos $ USD digitais, mas isso é outra coisa.

Imagine uma criptomoeda emitida pelo governo – um arquivo digital criado do nada pelos mais perigosos sociopatas em busca de poder do planeta – que pode ser completamente controlada.

  1. Eles podem criá-lo à vontade – inflando os preços, esmagando o poder de compra, drenando a riqueza dos trabalhadores produtivos para os que estão mais próximos da impressora de dinheiro.
  2. Eles podem vigiar todas as transações – sabendo exatamente como você gasta, onde gasta e quem você conhece.
  3. Eles podem destruí-lo à vontade – se você sair dos limites dos poderes constituídos, eles podem deletar seu dinheiro, empobrecendo ou levando você à falência instantaneamente.
  4. Eles podem excluí-lo da economia global – na verdade, a exclusão econômica é uma eventualidade prevista na Bíblia há quase 2.000 anos.

Em uma economia global hiper-monetizada, não há nada mais perigoso do que uma moeda de vigilância que pode ser rastreada, rastreada, desvalorizada ou excluída à vontade.

Claro, os países estão permitindo que os bitboys se divirtam no cassino tipo Ponzi com criptomoedas por enquanto, mas todo o experimento do criptoverso permite que eles assistam e aprendam em silêncio.

Quando os governos lançarem suas próprias Moedas Digitais do Banco Central (CBDCs) – como alguns já fizeram – esperem que eles banam totalmente a criptomoeda e combinem seus CBDCs com os sistemas de crédito social orwellianos e vigilância indireta.

Acredite em um amanhã melhor

No final do dia, tudo se resume ao que acreditamos.

Acredito que as Nações Unidas deveriam consagrar no direito internacional a ilegalidade dos sistemas de crédito social e moedas de vigilância como uma invasão flagrante do direito humano à privacidade.

Eu acredito na noção antiquada de que todo mundo é legalmente inocente até que seja provado como culpado em um tribunal por um júri de seus pares homo sapien .

Eu acredito que a cultura da conformidade é anticultural.

Eu acredito em um futuro sem vigilância em massa.

Eu acredito no direito de cometer erros.

Eu acredito no direito de ser imperfeito.

Eu acredito no direito de ser humano.

Para concluir

Não precisamos viver em um mundo de panopticoína.

Na verdade, podemos ir na direção exatamente oposta, em direção a um futuro cunhado onde existem milhares de moedas não coercitivas baseadas em trust, todas não supervisionadas e até mesmo completamente privadas.

Para chegar lá, precisamos fazer duas coisas principais:

1. Precisamos votar para fora do cargo cada político sociopata capturado por corporações que já tirou um único dólar em dinheiro escuro. Devemos absolutamente resistir às moedas de vigilância digital.

Talvez isso signifique que você precise se candidatar.

2. Em vez de acumular criptomoedas e esperar um pico de preço como se fosse um esquema Ponzi , precisamos comprar, gastar e dar moedas o máximo possível.

(Para colocar meu dinheiro digital onde minha boca está, estou dando $ 100 em Bitcoin grátis agora .)

Se pudermos revolucionar a nova economia global antes que as moedas de vigilância cheguem ao mercado, teremos uma chance muito maior de garantir nossa liberdade econômica futura.

Caso contrário, o panopticoína está chegando.

Agenda Setting: por que estamos falando do que estamos falando?

Esses dias li que sopa detox é o novo alimento da moda. Na verdade, passamos os dias procurando o que é melhor para as nossas vidas. Mas o que poucos percebem é que o gatilho para a maioria de nossas tomadas de decisão são tendências ditadas pelo marketing, que nos formatam com o que as teorias de comunicação chamam de Agenda Setting.

Já ouviu falar nessa expressão?

Se não, já deve ter conversado a respeito de produtos orgânicos, zero lactose, kit gay, zumba, crossfit, moda vintage, legalização da maconha ou aborto. Já parou para pensar o motivo pelo qual parte desses tópicos fazem parte da lista de consumo ou de assuntos das rodas de conversa da atualidade?

Agenda Setting. Isso pode significar que alguém pensou esses assuntos por você e que somos influenciados por fontes de informação.

Zumba? Mas essa aula não era de ginástica localizada?

A teoria do Agenda Setting foi estabelecida pelos ingleses Maxwell McCombs e Donald Shaw e está mais presente em nossa história e no cotidiano do que pensamos.

Acho que nunca imaginamos que a conversa do happy hour de sexta, o bate-papo na manicure e outras conversas aleatórias fossem tão importantes e valiosas, a ponto de serem vendidas pra nós. Esses temas ganham tamanha visibilidade que são capazes de valorizar ações econômicas de marcas na bolsa de valores ou criar uma nova embalagem para quem está vivendo uma crise de imagem. Bem como eleger políticos ou mudar percurso de leis e tabus sociais, que sempre irão gerar lucros diretos/indiretos à alguém.

Nossas conversas têm dono

Os maiores utilizadores do Agenda Setting são os arquitetos das agendas mundiais, que costumam afetar o caminho de toda uma sociedade em favor de seus interesses. Essas pautas geralmente são políticas e quem as decidem e orquestram são grandes organizações mundiais, como o Foro de São Paulo, Clube de Paris, ONU, Clube de Bilderberg, Nova Ordem Mundial, governos de determinados países, instituições religiosas, ONGs e outros fortes grupos econômicos. Para quem nunca ouviu falar nesses nomes, vale uma breve leitura.

Há uma impressão habitual de que esses patrocínios só ocorrem de forma velada ou até ilegal, mas existem organizações formais que defendem seus interesses e divulgam seus investimentos de forma aberta.

É o caso da Open Society Foundations, que tem como fundador o filantropo ou megaespeculador George Soros, que investe abertamente na legalização da maconha pelo mundo, como em 2014, quando foram investido 500 mil dólares no Uruguai.

“Pra onde vai a grana dessa vez?”

Este ano, a instituição abriu escritório no Brasil e Soros concedeu uma entrevista no mínimo interessante à Folha de S.Paulo. Para muitos críticos e especialistas, uma das metas da sede brasileira também é a legalização da maconha em solos tupiniquins.

Presidido pelo ex-secretário nacional de Justiça (2011), Pedro Abramovay, o escritório poderá multiplicar a rede de amizades de George Soros no Brasil, que já é poderosa – afinal que político brasileiro não gostaria de ter como amigo um filantropo bilionário?

Entre os nomes temos Fernando Henrique Cardoso e o senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Coincidência ou não, FHC é um dos principais nomes defensores da legalização no Brasil e Cristovam, em 2014, presidiu as audiências da SUG 8, que sugere a legalização no Senado Federal.

Agora uma pergunta pertinente: por que motivo um estrangeiro investiria tanto para mudar uma lei em outro país?

Filantropia não parece ser a resposta mais lógica. O fato é que conversas sobre temas como esse são pautadas em nosso meio social com alguma finalidade, aparentemente mais capitalista do que de caridade de bons velhinhos.

Eu não entendi o enredo deste samba, amor

Aqui vai um desfile de propósitos na avenida, já que quem sabe que é vitrine não perde tempo e vende com antecedência os espaços em sua prateleira.

Há quem diga que as escolas de samba definem o tema de seus enredos totalmente de forma comercial, a preço de ouro. Fazem isso por saberem, que durante aquele período são capazes de gerar Agenda Setting com toda a sua visibilidade.

Neste ano, um caso chamou a atenção inclusive do Ministério Público Federal (MPF): a campeã Beija-Flor teria recebido uma doação estimada em R$ 10 milhões do ditador da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, pelo samba enredo “Um griô conta a história: um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial”.

Isso custa caro, amor

O assunto repercutiu na grande mídia e a CartaCapital chegou a entrevistar um ativista político do país erradicado nos Estados Unidos. Uma série de especialistas em diplomacia destacaram a disparidade do valor da doação com a realidade do povo da Guiné Equatorial, onde a maioria do povo vive com menos de 1 dólar por dia.

O caso é rotineiro. Nossa paixão pelas escolas pode ser comercializada, afinal sabemos que durante o carnaval os assuntos levantados nos enredos se transformam facilmente em notícia e temas de conversas.

Velhas e novas mídias vestem suas celebridades

Se você tem muitos seguidores no Instagram e tem influência sobre seu público, certamente pode estar dando de graça sua credibilidade a produtos comerciais ao postar uma foto consumindo algo ou simplesmente marcando sua localização em um estabelecimento comercial.

Por isso, hoje é comum vermos bodybuilders usando suas redes sociais para divulgar suplementos ou belas mulheres divulgarem cosméticos, por meio de dicas de maquiagem no YouTube.

Já em 2009, Jason Zook, que é hoje escritor e referência sobre negócios criativos na web, fez de sua imagem um business rentável: ele passou a vestir a camisa de uma empresa por dia. Qualquer marca podia comprar o seu dia e ele tirava uma foto descolada vestindo a peça e postava em suas redes.

“Oi, tudo bem? Me paga pra eu vestir a tua roupa?”

O empresário talvez tenha sido o primeiro grande case nesse segmento, e o negócio lhe rendeu milhões de dólares. Em poucos meses, a agenda de camisetas que ele ia vestir – que ficava disponível no site oficial – já estava completa por um período de mais de um ano. Durante quatro anos com este trabalho, Zook pautou o nome de várias empresas e produtos nas rodas sociais norteamericanas.

Desta forma, os canais de vídeo se tornaram ferramentas poderosas para vários tipos de conteúdos. Roteiros de esquete de humor, webséries e outros conteúdos tornam-se atrativos para marcas investirem em publicidade e merchandising, com o fim de levantar algum assunto nas rodas que frequentamos. Isso já acontecia com as novelas, séries, programas de auditório e nas pautas dos jornais e revistas.

Nem tudo são espinhos: a arte e a democratização das vitrines

Isso nos deixa com uma sensação de que a arte e o jornalismo sempre serão maculados pelo comercial. Mas tirando de lado o romantismo da produção cultural, todo esse novo arranjo midiático democratizou a publicidade, que antes era dominado apenas por grandes conglomerados: as emissoras de TV, rádio, jornais e revistas.

“Parece você, mamãe!”

As mídias sociais harmonizaram esse poder e o nascimento de novos meios e personalidades, equilibrando a balança comercial da propaganda, em nível de recurso e influência social. E a gente não pode esquecer que a propaganda tem um papel fundamental na produção artística.

O efeito colateral da proibição de comerciais para crianças foi a redução drástica de programas infantis nacionais na TV aberta, o que fortaleceu o consumo de produtos internacionais. Isso pode gerar um lapso de identidade no futuro dessa geração. Diferente dos adultos de hoje, que podem citar como referência de sua infância programas como: Castelo Rá-tim-bum, Sítio do Pipcapau Amarelo, TV Colosso, entre outros.

Boas práticas em relação ao Agenda Setting

Sabedores da existência e operacionalidade dessa fórmula, podemos nos proteger e também utilizá-la de maneira positiva. Aqui vão três sugestões para otimizar o olhar sobre a informação que consumimos.

A primeira é o filtro da consciência crítica. Sempre que ler uma notícia ou história que envolva marcas ou ideais se encaixando de forma muito perfeita, acione o gatilho de que tudo na vida que aparece muito certo provavelmente foi orquestrado, pois mesmo aquilo que é muito bom não bebe de verdade absoluta.

Sempre questione:

  1. Quem têm interesse nesse assunto?
  2. Como alguém poderia se beneficiar com essa história?
  3. Quando e onde o assunto surgiu?

A segunda é extrair o néctar do marketing. Toda construção de Agenda Setting é elaborada com muita pesquisa e estudo para justificar sua importância. Depois de levantadas essas informações, a função do marqueteiro é anabolizar a relevância do tema.

Se retirarmos essa maquiagem e identificarmos o néctar daquela mensagem podemos identificar informações poderosas para as nossas vidas.

Outra premissa jornalística é fundamental: ouvir os dois lados. Toda história tem duas versões.

A terceira e mais importante: seres individuais tem hábitos e pensamentos únicos. Após os dois exercícios anteriores, você já sabe onde se encaixa a sua presença naquele tema e consegue identificar se aquela pauta te traz reais benefícios.

Afinal, construir pontes de comunicação efetivas no mercado de trabalho, em seu ciclo familiar e na roda de amigos pode ser um dom ou um caminho trilhado por boas estratégias.

Quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez?

Quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez?

Li essa frase, numa rede social, quando o sujeito que a escreveu estava participando pela primeira vez de um campeonato esportivo.

Ele havia se preparado arduamente para a batalha e, embora não tivesse ganho o campeonato – afinal, ele era um estreante – tenho a impressão de que ele havia ficado satisfeito com o resultado, sobretudo pelo processo de preparação a que se submeteu.

A frase chama a atenção pela provocação que causa ao leitor.

E você, quando foi a última vez que fez alguma coisa pela primeira vez?

Muitos de nós nos acomodamos às nossas rotinas diárias de casa-trabalho-casa ou casa-estudo-casa, finais de semana e noites assistindo televisão e comendo coisas não saudáveis, horas e mais horas em distrações na Internet, que nem nos damos conta da importância de ampliar nossa base de conhecimento como fator crucial para ter uma vida melhor, não apenas no aspecto financeiro, mas também na nossa própria vida pessoal.

Pois o post de hoje é justamente sobre isso: aprendizagem e educação não se esgotam quando você pega o diploma da faculdade e vai procurar um emprego.

É muito mais do que isso.

Na verdade, se você quer ter uma vida plena de sentido e com cada vez mais significado, você precisa ser um eterno aprendiz.

Assim como devemos ingerir proteínas de modo frequente para sustentar o ganho de massa muscular, também devemos ler artigos sobre a importância do aprendizado de modo igualmente recorrente se quisermos manter um ciclo de vida sempre aberto e receptivo para aprendizagens.

Se você parou de aprender, você parou no tempo

Ok, eu nem queria colocar esse subtítulo aqui, mas acho que ele se encaixa perfeitamente na história que vou contar.

Um amigo me contou certa vez que, quando começou a trabalhar como estagiário na empresa, teve que abrir uma conta bancária no banco para poder receber sua bolsa.

Então, ele se dirigiu à agência bancária mais próxima do seu local de trabalho, e foi muito bem atendido pela recepcionista, que logo o encaminhou para o gerente de conta.

E, toda vez que ele precisava ir para a agência resolver alguma coisa ligada à sua conta, lá estava a recepcionista, sempre solícita, comunicativa e contente, para o atender.

Passaram-se longos 4 anos, e, durante esse tempo, ele concluiu o estágio, deixou de frequentar tal banco, formou-se, fez mestrado e partiu para construir sua carreira.

Mas ele teve uma ascensão meteórica em sua carreira, pois conseguiu subir para o cargo de gerente de projetos, graças aos resultados que havia conseguido obter nas empresas em que trabalhou, aliados à melhoria de sua qualificação (além da graduação, concluiu um mestrado).

Em resumo, ele recebeu propostas de trabalho de 3 empresas diferentes, e resolveu aceitar o convite daquela primeira empresa que o havia contratado como estagiário.

Ao ser recontratado pela antiga empresa, ele teve que reativar a conta naquele primeiro banco, e qual não foi a surpresa dele ao se deparar com a mesma recepcionista que havia lhe dado as boas-vindas quando ele entrou ali para abrir a conta na condição de estagiário!

“Não me diga que agora você é gerente? Parabéns! Mas me diga, como você conseguiu subir assim tão rápido na carreira?”, disse a moça da recepção, demonstrando estado de choque e surpresa total pela rápida ascensão profissional do meu amigo.

Ele teve uma conversa bem animada com essa moça, mas me disse que saiu desse reencontro com um misto de alegria, pelo reencontro com uma pessoa conhecida, mas ao mesmo tempo decepção, pois aquela moça, com habilidades interpessoais aparentemente boas (segundo meu amigo), poderia criar valor ao longo desses 4 anos para poder ter um trabalho que remunerasse à altura suas (potenciais) virtudes profissionais.

E quantas pessoas você não conhece que se acomodaram e se acostumaram a fazer as mesmas coisas burocráticas durante anos, quem sabe décadas, e estão até hoje no mesmo lugar que estavam há 4, 8, 15 ou 20 anos, enquanto você foi, ao longo desse tempo todo, escalando todos os níveis e degraus de sua carreira profissional? Ou será que você também estagnou?

Meu amigo, minha amiga, não existe almoço grátis.

Se você quiser ter liberdade financeira, você precisa aprender mais.

Aprender mais sobre sua carreira, aprender mais sobre sua área de atuação, aprender mais sobre finanças pessoais e investimentos, aprender mais sobre muitos outros tópicos indispensáveis para ter êxito na vida pessoal e na vida profissional.

Você não pode se dar ao luxo de, nas horas vagas, gastar a maior parte de seu precioso tempo com coisas que não irão lhe acrescentar novas ideias, novos hábitos, novos pensamentos ou novos comportamentos ou novas atitudes.

Você precisa se reciclar constantemente.

Até há alguns anos, todos acreditávamos que a educação e o aprendizado se resumiam ao ciclo da pré-escola até a faculdade. Esse pensamento da educação restrita à educação meramente formal pode, inclusive, ser o pensamento de seus pais e avós.

Porém, hoje em dia, sabemos que o mundo tem passado por constantes, rápidas e irreversíveis transformações, de modo que precisamos nos adaptar e evoluir como pessoas, para podermos lidar com as novidades que vemos surgindo a cada ano que passa, inclusive nas coisas mais simples.

Vou contar outra história (pois eu acredito no valor das histórias para fixar determinados conceitos e ideias daquilo que quero transmitir).

Conheço uma pessoa já na faixa dos seus 70 e poucos anos, aposentado, que costumava receber o contracheque da aposentadoria em via de papel. Ele sempre foi avesso à tecnologia, de modo praticamente completo. Mesmo tendo condições de sobra para ter computador em casa, e mesmo sendo uma pessoa altamente instruída, com diploma superior e tendo atingido tecnicamente a independência financeira, ele preferiu ignorar a Internet. Vive desconectado. Não tem sequer celular. Faz as coisas, digamos, “à moda antiga”.

Pois outro dia, ele me disse que estava em apuros, pois a empresa havia deixado de enviar o contracheque por meio de papel, comunicando que a partir de então todos os documentos seriam enviados por email ou estariam disponíveis na página da empresa na Internet. O problema era que ele não tinha Internet e, muito menos, email!

Essas situações, que chegam a ser bizarras, carregam uma importante lição: precisamos aprender a acompanhar e a dominar os novos meios de comunicação que surgem, para não sermos privados dos benefícios que eles podem nos proporcionar.

Como continuar aprendendo continuamente?

Cursos online.

Na Internet, existem cursos para qualquer área do conhecimento que você queira explorar. Não vai ser por falta de opções que você não aprenderá novas habilidades, nem que sejam apenas para melhorar algum ponto de sua vida pessoal, como reformar móveis e objetos pessoais, aprender a fotografar melhor, criar web sites, ou aprender a cozinhar. Alguns sites bons nesse sentido – alguns pagos, e outros gratuitos – são o Udemy, o Lynda e o Khan Academy. Além desses sites específicos, o próprio YouTube tem milhares, talvez milhões de canais, elaborados por pessoas que têm verdadeira paixão na arte de ensinar e transmitir conhecimento através de vídeos educativos.

Livros físicos e Loja Kindle.

Os livros são excelentes meios de adicionar conhecimento e progredir na vida, como já disse no blog em outras ocasiões. Hoje em dia, esta facilidade ficou ampliada com a possibilidade de lermos através de aparelhos eletrônicos portáteis, como o Kindle. Apesar de toda a facilidade proporcionada pelos tablets e smartphones, eu ainda prefiro usar, além dos livros de papel, o aparelho Kindle como instrumento de leitura, principalmente porque cansa menos os olhos.

Podcasts.

No Brasil, aprender através da audição ainda é, infelizmente, pouco explorado, muito talvez em função da cultura “popular” brasileira de valorizar a informação transmitida através de imagens – vide o sucesso do Instagram e do Youtube por aqui, por exemplo. Conhecimento e informação transmitidos através de textos parecem ser relegados a segundo plano, tal como já noticiei em um artigo antigo, mas ao mesmo tempo tão atual: 0,05% a.a. não é só a taxa de administração do PIBB: é também a fatia do orçamento doméstico que o brasileiro reserva para livros…

Podcasts são programas de áudio sobre os mais diversos assuntos baixados no celular ou tablets. São mais dinâmicos que os livros, na medida em que tratam de assuntos de maneira mais atual e para um público mais específico, enquanto os livros se destinam, em geral, para um espectro de público mais amplo. Eu gosto – e já disse isso aqui no blog – dos podcasts da CBN sobre finanças pessoais (Mauro Halfeld e Mara Luquet), e, mais recentemente, do YNAB.

Audiobooks.

São os livros narrados em formato de áudio. Muito úteis para serem ouvidos em momentos ociosos, como esteira de academia, trajeto de trânsito, dentro do avião etc., mas tão pouco explorados no Brasil, assim como os podcasts, os audiobooks são ferramentas ótimas para aliar aquisição de conhecimento com otimização de uso do tempo, principalmente em situações e circunstâncias que não requerem nossa concentração visual sobre uma folha de papel ou uma tela eletrônica.

O grande manancial dos livros de áudio é o Audible, e eu falo por experiência própria: tenho uma conta lá há mais de 13 anos, e o app do Audible está na tela inicial do meu smartphone desde que eu usava o Palm.

Escolas “tradicionais”.

Por quê não? Embora saibamos hoje em dia que é perfeitamente possível adquirir conhecimento de qualidade sendo um completo e voraz autodidata, muitas profissões ainda requerem a qualificação pelos meios tradicionais das universidades e cursos formais, tais como o Direito, Engenharia e Medicina.

A formação do hábito

Só é possível adquirir um conjunto de novas habilidades unindo dois ingredientes fundamentais e indissociáveis: trabalho duro e hábito. E por hábito eu quero dizer: todo dia, ou, pelo menos, 5 vezes por semana. Separe um tempo, de 20 ou 30 minutos, todo dia, de preferência no mesmo horário, para aprender alguma coisa nova, até que ela faça parte de sua rotina.

Para evitar a tentação de abandonar o aprendizado no meio do caminho, faça um duplo controle:

(a) marque na agenda o compromisso de aprender a nova habilidade, e

(b) use uma folha de calendário impressa para você riscar o dia em que você consumiu tempo aprendendo coisas novas.

Revise semanalmente essa folha de calendário a fim de verificar se você de fato está fazendo progressos no seu compromisso de aprender novas habilidades, ou se está simplesmente se auto-enganando.

Conclusão

Tão ou mais importante do que aumentar a quantidade de dinheiro em sua conta bancária é aumentar a quantidade de neurônios em seu cérebro.

Isso porque aumentar a quantidade de células em sua cabeça fornecerá elementos para que você formule e crie respostas melhores para as diferentes demandas e perguntas que a vida constantemente lhe fará.

“A palavra que melhor representa o cérebro é a plasticidade, isto é, o poder do cérebro de se modelar em função das novas experiências, dos novos contatos, já que, a partir dessa imersão em novas situações, conexões neurais são criadas e o próprio mapa cerebral vai sendo redesenhado, de forma dinâmica e contínua.

A leitura desempenha um papel decisivo para a vitalidade do cérebro, como se fosse um músculo que necessita continuamente ser exercitado. A nossa capacidade intelectual depende menos de nossa genética, e mais das experiências que construímos ao longo da vida”.

Sem se submeter a novas experiências, sem explorar territórios desconhecidos, sem aprender coisas novas, fica muito difícil evoluir como pessoa. Você consegue imaginar como seria sua vida hoje se não soubesse usar o Google, ou manejar uma conta de email, ou, ainda, escovar os dentes, ligar o fogão ou usar talheres?

Continue aprendendo.

À medida que o tempo passa, a vida vai nos colocando cada vez mais desafios, que talvez exigirão de nós habilidades que ainda não desenvolvemos por completo.

Saber lidar com o dinheiro é uma dessas habilidades, que muitos dos novos leitores têm intenso desejo de dominar, a julgar pelas perguntas que constantemente aparecem na caixa de comentários, e que é uma habilidade essencial para ter uma vida com mais segurança e tranquilidade.

O aprendizado serve para melhorar várias áreas de nossa vida. Por exemplo, semana passada fiz pela primeira vez na vida um exercício de flexão de braços usando suportes. Como estava acostumado a fazê-lo apoiando os dedos das mãos diretamente no chão, foi difícil usar o suporte para o apoio das mãos. Claro, cansei mais do que o normal.

Foi um exercício interessante, e, mais do que isso, representou uma novidade, já que fez com que meu corpo precisasse se adaptar de maneira distinta, para produzir o movimento correto. Certamente essa novidade irá contribuir para incrementar o trabalho físico que venho realizando, e o apoio correto no suporte é uma habilidade que sem dúvida precisarei dominar se quiser fazer o movimento correto do exercício.

E você, quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez?

O post Quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez? apareceu primeiro em Valores Reais.

Como acabar com os problemas de sono

Você já deve ter ouvido falar que passamos um terço da nossa vida dormindo. Nosso descanso e a saúde do nosso organismo são diretamente influenciados pela postura que adotamos ao dormir e pelas coisas que fazemos antes de deitar.

Incrível.club reuniu para você recomendações de vários especialistas sobre como dormir para amenizar seus problemas de saúde.

Dor nos ombros

Se você tem dor nos ombros, deve evitar dormir de lado, sobretudo em cima do lado dolorido. Dormir de barriga para baixo também não é recomendado, já que, nesta posição, os ombros não ficam na postura correta.

A melhor opção é dormir de costas. Use um travesseiro fino ou, ainda melhor, um ortopédico. Coloque um segundo travesseiro sobre o estômago, abraçando-o. Assim, seus ombros ficarão numa posição correta e estável.

Caso não consiga dormir de costas, é permitido dormir de lado, mas do lado contrário ao dolorido. Nesse caso, dobre os joelhos e leve-os em direção ao peito. Coloque um travesseiro entre as pernas. Não coloque a mão, pois isso criaria uma postura não natural do ombro.

Dor nas costas

Começa com a escolha certa do colchão: um macio não é para você. Quem sofre com dores nas costas precisa manter a curva natural da coluna.

A maneira mais eficiente seria dormir de costas. Coloque um travesseiro sob as pernas para restabelecer a curvatura da coluna, reduzindo a tensão nos tendões. Você também pode colocar uma toalha enrolada embaixo da cintura, o que irá garantir um apoio adicional às costas.

Se estiver acostumado a dormir de barriga para baixo, coloque um travesseiro pequeno sob a pélvis, para que as costas não curvem mais que o normal.

Para as pessoas que preferem dormir de lado, os médicos aconselham optar pela postura fetal. Leve as pernas em direção ao estômago, o que fará com que as costas curvem. Coloque um travesseiro ou almofada pequena entre as pernas para evitar o movimento do quadril e a consequente sobrecarga na parte baixa das costas.

Dor no pescoço

Assim como acontece nos casos de dor nas costas, é preciso garantir uma postura confortável e correta do pescoço.

A melhor opção é dormir de costas, colocando um travesseiro sob a cabeça e também embaixo de cada braço. É muito importante usar o travesseiro certo: escolha um ortopédico, em formato de tubo.

Caso goste de dormir de lado, não use travesseiros altos demais. A melhor espessura é de até 15 centímetros. O travesseiro perfeito deve ter a altura do ombro, para manter o pescoço na posição correta.

Se preferir dormir de barriga para baixo, use um travesseiro bem fino. Mas é melhor evitar dormir nessa posição, já que, nesse caso, o pescoço fica sempre virado para um lado.

Insônia

Claro que, nessas situações, é difícil não usar o celular ou o computador antes de dormir, mas faça o esforço. Afinal, esta é uma solução para quem passa horas revirando na cama tentando pegar no sono. A luz dos dispositivos eletrônicos influencia negativamente no ciclo do sono.

Além disso, seis horas antes de dormir, evite consumir cafeína. E não falamos apenas do café, mas também de Coca-Cola, bebidas energéticas, chá preto e chocolate.

Faça exercícios pela manhã e à noite. Isso ajuda a tonificar o corpo, melhorando a circulação sanguínea e facilitando o sono.

Acordar várias vezes durante a noite

Se você acorda muito durante à noite, além de deixar de lado os aparelhos eletrônicos, evite o consumo de bebidas alcoólicas. O álcool altera o equilíbrio hídrico e também a fase mais longa do sono. Por isso, acordamos durante a noite.

Além disso, verifique a temperatura do seu quarto. A ideal é de 20 a 22°С. Quando faz calor demais, é realmente difícil pegar no sono. Quando está muito frio, por outro lado, existe o risco de resfriados.

Dificuldade para acordar

Pode parecer que todo mundo sofre deste mal, mas, por mais estranho que possa parecer, ele é facilmente solucionado. Programe o alarme para o mesmo horário todos os dias, inclusive nos fins de semana. Claro que, para acordar cedo, é preciso ir para a cama cedo também, e nem sempre esta é uma tarefa fácil.

Roncos

Caso você ronque muito, não durma de costas. Nesta posição, os tecidos moles da garganta “grudam” entre si, criando um obstáculo para o fluxo de ar.

Preste atenção ao travesseiro. Um travesseiro muito macio faz com que sua cabeça incline para trás, tornando os roncos mais fortes. Use um travesseiro adicional para evitar que sua língua vá para trás, evitando os roncos.

Durma de lado. Assim, sua cabeça fica numa posição natural, sem impedir o fluxo de ar.

Faça exercícios anti-ronco. Há ’treinos’ simples para o músculo da língua e garganta que também são úteis para combater os roncos.

Cãibras

Cãibras são espasmos musculares que, durante a noite, acontecem geralmente nas pernas. Quase 80% das pessoas sofrem com este problema, independentemente de idade. As cãibras podem ser resultados de doenças, problemas no sistema nervoso e falta de microelementos. Por isso, caso sofra frequentemente com elas, procure um médico.

As cãibras, porém, acontecem também com pessoas totalmente saudáveis. Elas podem surgir em decorrência de uma atividade física intensa, fadiga muscular, estresse e ainda trabalho sedentário.

Para se livrar das cãibras, faça qualquer tipo de exercício físico que melhore o alongamento e fortaleça os músculos das pernas. Yoga ou massagem antes de dormir são ótimas ideias. O importante é lembrar que isso deve se tornar um hábito, para que o resultado desejado seja obtido.

Outros problemas

Os motivos que levam à dificuldade para dormir podem ser variados: começando pelo cansaço extremo, passando pelo uso de um calçado incômodo e indo até os problemas de digestão e no sistema nervoso. Portanto, para determinar a causa com exatidão e escolher o tratamento adequado, é necessário procurar a ajuda de um especialista. Caso tudo esteja bem com sua saúde, mas as sensações desagradáveis permanecerem, siga as recomendações gerais.

Se você sofre de azia durante a noite, uma boa ideia é dormir do lado esquerdo, com a cabeça apoiada num travesseiro elevado. Esta posição evita que o conteúdo do estômago volte ao esôfago, prevenindo a azia.

Suas pernas doem à noite? Então, ao deitar, mantenha-as num nível mais elevado. Para isso, um rolo feito com um cobertor pode ajudar. Outra opção é apoiar as pernas na cabeceira da cama. O sangue venoso acumulado durante o dia irá circular, e a sensação nos membros inferiores vai melhorar. Não esqueça de fazer uma leve massagem nos pés antes de dormir, evite chás fortes e café ao menos seis horas antes de deitar.

Foto de abertura Ilustradora Natalia Kulakova
for Incrivel.club
Produzido com base em material de thisisinsider

Você não é tão inteligente quanto pensa que é ….. confira

Você é mais idiota do que imagina: e essas são as 4 provas

vcnaoeinteli

Você é um imbecil.

Mas não se preocupe! Isso não é uma coisa com a qual você tenha que se envergonhar.

Somos todos idiotas. E aqui está o porquê:

1. Nós ignoramos TUDO o que uma pessoa diz se não concordamos com alguma das coisas que ela falou

Argumentos são estressantes e estar certo é sempre muito legal.

Assim, quando ouvimos um argumento com o qual discordamos, nós estamos sempre à procura de uma maneira rápida e fácil de rejeitá-lo.

Mas atacar o conteúdo de uma mensagem é muitas vezes um trabalho desgastante e difícil.

Então, o que fazer?
Geralmente, ouvimos uma pessoa apenas tempo suficiente para que ela dê um único passo em falso ou diga alguma outra coisa que não gostamos. Pronto. Usamos esse pequeno deslize para descartar tudo o que foi falado e feito.
“Ops, você usou uma estatística discutível no seu segundo parágrafo.

A conclusão é falha”. Ou: “Não, não vou ouvir o que essa pessoa tem para falar. Certa vez, ela apertou a mão de um político que eu odeio”.

Ou ainda: “Ele acha que a carga tributária mudou desproporcionalmente ao longo das duas últimas décadas para a classe média? O que ele sabe? Ele tem um Xbox”.

É também por isso que amamos atribuir rótulos para as pessoas.

Esse tipo de padronização nos salva do trabalho de encontrar até mesmo uma coisa sobre as pessoas para discordar, apenas atribuindo-lhes todas as falhas de qualquer grupo no qual ela esteja “dentro”.

Se você já sabe que não concorda com tudo o que um “conservador” ou um “liberal” ou um “dono de Xbox” diz, estes rótulos poupam o trabalho de realmente ouvir essas pessoas.

Aí você se defende: “Como um pensamento racional e inteligente poderia sair de cabeças tão pequenas e fechadas!?”.

Claro, pensamentos racionais saem de pequenas cabeças o tempo todo. Afinal, ninguém está errado sobre tudo. Mesmo o seu mais terrível inimigo provavelmente ainda gosta de brigadeiro, ou daquela série que você ama mais que a vida.

De vez em quando, é bom verificar o seu desejo de rejeitar alguém por instinto e pensar um pouco a respeito antes de emitir seu julgamento.

2. Pensamos que, se alguém comete um erro, é porque essa pessoa é ruim em tudo que ela faz

smaterasatoast
Qual é o seu primeiro pensamento quando você vê alguém que você não conhece cometer um erro meio básico?

Você sabe, quando eles jogam lixo na rua ou dirigem um carro para dentro de uma piscina.

“Que idiota”, você pensa. Eu sei que sim. E eu também.
Mas o que você pensa quando vê um amigo ou membro da família cometendo um erro desses? Você é provavelmente um pouco mais simpático.

Eles estavam distraídos? Tinham bebido? Alguém cortou os freios em seu carro?

Você sabe que eles não são idiotas completos, então você pára, pensa um momento, e começa a procurar razões pelas quais eles poderiam ter cometido um erro.

Só que a gente não costuma dar esse benefício da dúvida para a maioria das pessoas.

É o chamado Erro Fundamental de Atribuição, e basicamente significa que nós atribuímos os erros e falhas de outras pessoas a alguma falha fundamental que elas tenham, ao invés de as circunstâncias em que estão.

Mais uma vez: quem nunca?

É difícil lutar contra isso. Nós simplesmente não pensamos em pessoas que não conhecemos muito bem. Mas quando você tem tempo para refletir, como no caso de amigos e parentes, a coisa muda de figura.

3. Nós estamos tentando nos proteger de outros idiotas, e acabamos sendo idiotas

Todos nós podemos lembrar de ocasiões quando estávamos tentando ser agradáveis e acolhedores com alguém, e fomos absolutamente pisoteados por isso.

Talvez você tenha segurado uma porta aberta para alguém, só para ver essa pessoa deixar a porta bater no seu rosto no dia seguinte. Os exemplos são infinitos, você sabe.

E é ainda mais fácil pensar em exemplos de idiotas que parecem se beneficiar da sua desgraça.

Como um chefe ou colega que consegue tomar crédito pelo seu trabalho duro.
Claro, às vezes idiotas não conseguem o que eles querem.

Gritar com um recepcionista do hotel apenas deixa você em um quarto pior.

Sua carreira pode até ser bem-sucedida se você for um babaca, mas todo mundo vai te odiar.

Só que isso simplesmente não acontece o suficiente, não é?

É por isso que desenvolvemos todo o tipo de defesas para nos prevenir de aproveitadores em potencial.

Ficamos cautelosos sobre fazer favores para colegas.

Esticamos os ouvidos quando ouvimos algum cochicho no escritório e por aí vai.

Nós rugimos e rangemos os dentes para estabelecer o domínio e marcar nosso território.

E, assim, acabamos agindo de forma meio idiota, como os idiotas que queremos evitar.

4. Nós achamos que todas as pessoas são iguais a nós

Há uma coisa que você provavelmente faz quando considera que todas as outras pessoas estão na mesma situação. Você se pergunta: “O que eu faria nesta situação?”.

Isso é chamado de empatia, e é a ferramenta básica que usamos para medir o mundo social.

Geralmente é uma coisa boa, mas, o problema com esse instinto é que o critério que usamos com ele é torto.

É o “eu” na frase.

Exceto que tenha ocorrido um incidente com uma fábrica de clones ou um confronto em uma sala de espelhos, a pessoa que você está considerando é suscetível de ser MUITO diferente de você de vários jeitos.

Por exemplo, quando as pessoas são paradas por um policial, sua reação não é sempre igual.

Uma mulher branca de classe média  não é geralmente acusada de ser uma criminosa o tempo todo. Assim, se um policial quiser checar meus documentos e o meu carro, posso ficar assustada, mas não ficarei particularmente chateada.

Provavelmente, eu iria lidar com o policial de forma educada até que o erro tenha sido devidamente esclarecido.

Ele é apenas um cara fazendo o seu trabalho.

Posso simpatizar com isso, mesmo que a situação seja um pequeno inconveniente para mim.

Enquanto essa é uma atitude que eu posso dar ao luxo de ter, outras pessoas não possuem os mesmos privilégios, e é completamente compreensível que suas interações com a polícia sejam mais tensas e conflituosas.

A mesma coisa acontece, por exemplo, quando algumas pessoas se ofendem com uma piada que você achou hilária.

É difícil ignorar seus instintos nesta situação – o riso era genuíno.

Mas seus instintos e senso de humor são baseados em sua experiência e sua história, e toda a bagagem e os pontos cegos inerentes a sua educação em particular.

O que é normal, um comportamento razoável para você, pode não ser para alguém que tenha uma história completamente diferente.

Então, como não ser um idiota?

ncomope

Bem, a solução é considerar sempre todas as variáveis e as circunstâncias das outras pessoas antes de sair por aí atirando pedras.

É trabalhoso, é complicado. Mas é fundamental.
Pode parecer impossível, mas, se você quiser ser uma pessoa melhor, precisa ao menos tentar.